Comissões
Composição da Diretoria
Palavra da Diretoria
Galeria de Presidentes
Histórico de Cubatão
Histórico da OAB
Galeria de Fotos
Assistência Judiciária
Direitos e Prerrogativas
Plantões e Triagem
Notícias
Cursos e Palestras
Estatudo da Advocacia
Artigos
Ouvidoria OAB Cubatão
Seguros
Links Úteis
Parceiros

HISTÓRICO DE CUBATÃO

 

Cubatão, historicamente, sempre teve um papel de destaque no cenário da Baixada Santista, do Estado de São Paulo e da Nação.

Tendo como origem o sopé da Serra do Mar, a partir de onde jesuítas, comerciantes, tropas, autoridades do reino tomavam fôlego para atingir o Planalto, Cubatão tornou-se essencialmente um lugar de passagem.

Primeiro, pelos caminhos das águas, partino do Porto das Naus, em São Vicente, e seguindo pelo Mar pequeno, Canal dos Barreiros, Largo do Pompeba, Rio Casqueiro, Largo do Caneú, Rio Cubatão, Rio Mogi e Rio Perequê.

Depois, à aventura de se alçar ao planalto, tiveram início os primeiros caminhos da serra. No começo, pela chamada trilha dos Tupiniquins, depois pelo Vale do Rio Perequê, chamado o caminho do Padre José e, finalmente, a Calçada do Lorena, mais à esquerda, a partir do Rio Cubatão.

O Porto Geral de Cubatão teve sua origem na primeira metade do século XVIII. Ao seu lado, desenvolveu-se um povoado, por muito tempo conhecido com essa denominação.

Em 1833 foi elevado à categoria de município e, em 1841, anexado ao município de Santos, mantendo-se praticamente estagnado, até a década de 1920, quando surgiram as obras da Usina da Light e da Companhia Santista de Papel. Após 1940 há um novo surto com a construção da Via Anchieta, culminando com a construção da Refinaria Presidente Bernardes, em 1949, e a Companhia Siderúrgica Paulista, em 1959.

Com a inauguração da Via Anchieta, o transporte rodoviário dinamizou o eixo de ligação entre São Paulo e a Baixada, tornando Cubatão um grande centro de passagem.

Cubatão foi emancipado a 1º de janeiro de 1949, ficando sob a administração da Prefeitura de Santos até o dia 9 de abril do mesmo ano, quando assumiu o seu primeiro Prefeito.

A cidade foi sendo transformada com o processo industrial sob a forma de grandes empreendimentos, fruto do surto industrial paulistano e investimentos federais. Nenhum plano orientou a instalação das indústrias, que foram se localizando ao sabor das vantagens imobiliárias ou de alguns pré-requisitos para seu funcionamento, perto ou longe do núcleo urbano, a favor ou contra os eventos, acarretando, ao longo dos anos, problemas sérios de poluição do ar, das águas e do solo.

Foram implantados um Pólo Petroquímico e um Parque Siderúrgico, ambos de cunho nacional, atraídos pela Petrobrás, que oferecia os seus derivados com preços compensatórios. Outros atrativos à instalação das industrias: boa localização pela proximidade com Porto e a capital do Estado, suficiente infra-estrutura com água e energia abundates.

De 1955 a 1975 foram implantadas e colocadas em funcionamento, 18 das 25 indústrias, que hoje compõem o Parque Industrial, quase todas situadas na região de Piaçaguera.

Duas das indústrias - Ultrafértil e Cosipa - possuem portos privativos, para recebimento e remessa de matérias primas e produtos acabados.

Fora o benefício da geração de empregos, a concentração de indústrias no mesmo território, trouxe resultados supreendentes, sob o ponto de vista financeiro e fortalecendo a capacidade tributária. A base de produção sustenta a maior parte da arrecadação tributária do município no ICMS, ficando para o IPTU, ISS e outros tributos diretos, uma pequena carga fiscal, se comparados com outros municípios da região da Baixada Santista.

Rua Joaquim Miguel Couto, 106 - Cubatão/SP
Tel.: (13) 3361-7533 - E-mail: cubatao@oabsp.org.br